Fone: (47) 3036-4600 Atendimento: FONE Support icon Orçamento 0 item

Notícias

Indústria de SC vai investir R$ 3,6 bilhões até 2014

13/08/2012
e3dce962a18be0159bf07e5b348d37ec.jpg

As indústrias catarinenses planejam investimentos de R$ 3,6 bilhões até 2014, que serão responsáveis pela geração de 17,1 mil novos empregos – 12,5 mil só em Santa Catarina. Deste total, R$ 1,9 bilhão, cerca de 55%, está sendo ou será aplicado já este ano. Os dados foram divulgados pela pesquisa Desempenho e Perspectivas da Indústria Catarinense, lançada no último mês pela Federação das Indústrias (Fiesc) com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

A pesquisa consultou 126 indústrias de 19 atividades econômicas. No total, 73% delas disseram ter investimentos previstos para 2012. Os valores projetados para o triênio, no entanto, devem ser ainda maiores, já que muitas delas ainda não haviam definido investimentos para 2013 e 2014 na época do levantamento.

O valor de R$ 3,6 bilhões representa 15% mais do que a indústria catarinense investiu em 2011. Deste total, R$ 3,1 bilhões, o equivalente a 86%, serão investidos dentro de Santa Catarina. Além disso, empresas de outros estados e também de outros países já demonstraram interesse em investir no Estado. Na pesquisa, a Fiesc aponta investimentos anunciados, veiculados pela imprensa, que totalizam R$ 6,1 bilhões. Se todos eles forem confirmados, e se somados aos já definidos pelas indústrias, o Estado pode receber até R$ 9,7 bilhões nos próximos três anos.

Alimentos e bebidas lideram investimentos

O setor de Produtos Alimentícios e Bebidas será o responsável pela maior fatia de investimentos em 2012 e também no triênio. Só este ano serão R$ 756,3 milhões em investimentos. Até 2014, serão R$ 1,4 bilhão. A segunda atividade que mais vai investir nos próximos três anos é a de Celulose, Papel e Produtos de Papel, com R$ 722 milhões.

De acordo com o levantamento, considerando todas as atividades pesquisas, os investimentos serão destinados principalmente à aquisição de máquinas e equipamentos (69%), atualização tecnológica (62,7%) e ampliação da capacidade produtiva (50,8%).

Sobre o estudo

O estudo Desempenho e Perspectivas da Indústria Catarinense é realizado desde 2000 e está na sua 12ª edição. A publicação é dividida em dois capítulos. O primeiro trata dos investimentos da indústria até 2014. O segundo faz um panorama da economia em 2011 e traz as perspectivas para 2012. A coleta dos dados foi realizada entre fevereiro e abril de 2012.

O que os industriais catarinenses querem:

• Redução da alíquota interna de ICMS para 12%, inclusive energia elétrica;
• Ampliação do prazo de recolhimento do ICMS e parâmetros do Prodec;
• Redução do ICMS sobre móveis produzidos e comercializados em Santa Catarina;
• Redução da alíquota do ICMS para a indústria do vestuário;
• Redução do ICMS nas compras de insumos para produtos alimentícios;
• Desoneração da aquisição de equipamentos;
• Permitir tal qual acontece no estado de São Paulo, o diferimento do ICMS na compra de insumos produzidos por empresas instaladas no estado de Santa Catarina;
• Unificar os impostos;
• Implementação de benefício para as empresas que passam por dificuldades e se encontram em recuperação judicial, durante esse período de crise;
• Desoneração dos impostos (PIS/Cofins/ICMS) nos investimentos devidamente cadastrados no Finame;
• Transferência de ICMS entre empresa interdependente;
• Redução de carga tributária sobre a folha de pagamento (encargos trabalhistas);
• Redução nas alíquotas dos impostos;
• Incentivar as indústrias que já estão aqui instaladas, eliminando a colcha de retalhos de incentivos que só fazem desequilibrar a concorrência no mercado;
• Redução das taxas de juros para capital de giro e investimentos, mediante o compromisso de melhora das condições ambientais no trabalho;
• Não onerar a importação de insumos, somente de produtos finais;
• Desburocratizar e racionalizar os tributos.

Fonte: Noticenter